27 janeiro 2011

Chá da dor


                   Cansados, doentes, tristes. Esses rostos estavam por todos os lados. Desalmados e desacreditados na vida. Pensamentos de incredulidade estavam perdidos naquelas mentes e tais pensamentos refletiam em suas faces pálidas por impulso. Os olhos falavam por si mesmos; a partir daquele momento, as lágrimas fluíam por vontade própria, descrentes, mas presos a um fiapo de esperança de nada daquilo ser verdade, apenas um engano. Até que Jesus aparece para eles, todas as noites enquanto rezam, para lembrar-lhes que o que Deus leva não tem mais volta. E é quando a incredulidade volta ao seu lugar de início.
                    A vida nos passa despercebida, enquanto teimamos, de olhos fechados, andar por cima dela até o momento que decidimos abri-los, mas já é tarde demais. Quando cada ser humano decide abrir verdadeiramente os olhos, a vida já se foi, de forma calma e graciosa, mas que viveu como alguém que nunca sentiu dor e levou a quem o perdeu.

"A morte não é um empecilho. Ela não é mais que um sentimento. Um sentimento forte e duro o bastante para levar a dor a se estabelecer por muito tempo. Pode ser apagado e revivido como poucas coisas na vida, mas quanto mais evitarmos, pior, pois nunca teremos sentido."
(Renata Fonseca)

0 recados:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

(Re)inventando © 2010

Blogger Templates by Splashy Templates